Por que pessoas vacinadas estão desenvolvendo a Covid-19, inclusive em formas graves?

Prevenção e Controle

21/09/2021

Os casos de pessoas imunizadas contra a COVID19 que contraem a doença, podendo ficar em estado grave e evoluir para óbito, geram dúvidas, mas não devem provocar incertezas quanto à eficácia das vacinas.

3 min de leitura

Por que pessoas vacinadas estão desenvolvendo a Covid-19, inclusive em formas graves?

A vacina contra a Covid-19 já apresenta bons resultados no Brasil e no mundo. Graças a ela, o país tem registrado quedas sequenciais na média móvel de mortes pela doença.

Por outro lado, há registro de pessoas que, mesmo tendo tomado as duas doses da vacina, manifestam evoluções graves da doença, inclusive, chegando a óbito. Este foi o caso do ator Tarcísio Meira, por exemplo.

Por que, então, algumas pessoas estão tendo Covid após vacinadas? Continue lendo este artigo e entenda.

Como a vacina funciona?

A vacina contra a Covid-19 consiste em partes do vírus, que não são nocivas aos seres humanos e, quando aplicadas, estimulam o sistema imunológico do organismo a desenvolver os anticorpos necessários para combater a doença.

Isso faz com que os efeitos do coronavírus no organismo sejam mais leves ou nulos, reduzindo consideravelmente a possibilidade de agravamento do quadro, ou morte.

Quem tomou a vacina pode pegar Covid?

Nenhuma vacina possui 100% de eficácia. Ela serve para reduzir os casos graves e mortes por Covid-19. Portanto, há a possibilidade de uma pessoa imunizada adquirir a doença, mas as chances de ela ter o quadro agravado ou mesmo vir a óbito por conta disso são mínimas.

Além disso, há variantes surgindo e se perpetuando, de forma que a resposta imunológica das vacinas existentes contra as novas cepas ainda é alvo de estudos. No entanto, já se sabe, por exemplo, que os imunizantes protegem contra a variante Delta, especialmente após a segunda dose.

Vale lembrar que quanto mais pessoas estiverem vacinadas, menor será a circulação da doença e a chance de que pessoas imunizadas tenham Covid-19.

Pessoas vacinadas transmitem a doença?

A imunização contribui para minimizar os índices de transmissão, mas não impede a infecção pela doença. Sua ação efetiva se dá, principalmente, na redução dos quadros graves e mortes por Covid-19. Portanto, pessoas vacinadas com as duas doses também podem transmitir o vírus, desde que apresentem diagnóstico positivo para a doença.

Isso reforça a importância de continuar adotando as medidas de prevenção mesmo após a imunização completa.

Cuidados necessários após a vacina

Para evitar a transmissão, devemos manter os hábitos adquiridos durante a pandemia, até que ela esteja controlada. Isso inclui:

Usar máscara

  • Higienizar as mãos corretamente com álcool em gel ou água e sabão
  • Evitar aglomerações, principalmente em locais fechados
  • Fazer distanciamento social

Não é hora de relaxar. Apesar da vacinação em curso e da queda dos índices de mortes e internações, as ações de prevenção devem continuar.

Quais as chances de ter Covid grave após a vacina?

A morte ou agravamento do estado de saúde de pessoas imunizadas, geralmente, estão relacionados às condições clínicas pré-existentes e/ou à faixa etária do indivíduo. Pessoas idosas, por exemplo, já possuem o sistema imunológico mais vulnerável e debilitado.

Além disso, comorbidades como diabetes, doenças cardíacas ou pulmonares, são condições agravadas pela Covid-19. As mortes de pessoas vacinadas devem ser avaliadas caso a caso, considerando, então, o histórico de doenças e a faixa etária.

Isso significa que as vacinas não são seguras?

Não. No caso do ator Tarcísio Meira, por exemplo, que morreu aos 85 anos por complicações da Covid, mesmo após as duas doses da vacina, ele estava na faixa etária de risco para a doença. Lembrando que o sistema imunológico de pessoas idosas responde de forma mais lenta à vacinação.

As vacinas são seguras ao que se propõem: reduzir o número de mortes e internações por causa da doença. Nenhum imunizante possui 100% de proteção contra qualquer doença. As vacinas existentes contra a Covid-19 apresentam índices satisfatórios de eficácia.

Sintomas da Covid-19: leves, moderados e graves

Quando se fala em redução dos quadros graves de Covid-19 como resultado da imunização, é preciso entender quais são os sintomas desta condição.

Sabemos que a vacina evita o desenvolvimento das formas graves da doença, que se caracterizam pelos seguintes sintomas:

  • dificuldade intensa de respirar ou desconforto respiratório;
  • pressão duradoura no peito;
  • saturação de oxigênio no sangue menor que 95% em ar ambiente;
  • coloração azulada na região dos lábios ou do rosto (cianose).

Geralmente, são estes casos que levam à internação e requerem suporte de oxigênio, com possível indicação de intubação e necessidade de ventilação mecânica se persistirem.

Já nos casos leves e moderados, o paciente apresenta febre, tosse seca, cansaço ou até mesmo uma leve falta de ar. Na maioria dos quadros, esses sinais não levam à hospitalização.

Reforçamos que a única saída possível para a pandemia é a vacinação em massa. Somente assim, será possível reduzir o número de casos graves e a disseminação do vírus.

Por isso, faça a sua parte! Não deixe de tomar o esquema vacinal completo da COVID-19, que consiste em uma ou duas doses da vacina, dependendo do imunizante. E ajude a combater também as fake news, compartilhando informações de fontes que têm credibilidade.

A Unimed-BH pode te ajudar nessa missão. Confira os nossos conteúdos sobre a vacinação da Covid-19:

Unimed-BH
Unimed-BH
Somos a melhor entre as maiores operadoras de saúde do Brasil, estamos presentes na vida de mais de 1,2 milhão de pessoas e temos um compromisso com nossos clientes e a sociedade: disponibilizar informações de saúde confiáveis, completas e de alta qualidade, para que você se cuide melhor todos os dias.
Esse conteúdo foi útil para você?
Sim Não
×

Comentários