Tuberculose: o que é, prevenção e incidência ao longo da história

Prevenção e Controle

16/03/2022

Conheça a doença que marcou a história da humanidade, saiba em qual situação ela se encontra na atualidade e quais os principais sintomas.

5 min de leitura

Tuberculose: o que é, prevenção e incidência ao longo da história

Você sabia que a tuberculose foi interpretada de diversas formas ao longo da história? De doença romântica à sentença de morte, estima-se que essa enfermidade dizimou 1 bilhão de pessoas entre os anos de 1700 a 1900, conforme documentado no acervo do Centro Cultural do Ministério da Saúde.

Na atualidade, há quem acredite que a doença é um mal praticamente superado pela ciência. Mas a verdade é que a tuberculose ainda é responsável pelo adoecimento e morte de milhões de pessoas em todo o mundo.

Um estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgado em 2020 aponta que 10 milhões de pessoas foram vítimas da doença em 2019, sendo que 1,2 milhão acabaram morrendo.

No Brasil, o Ministério da Saúde registrou quase 67 mil novos casos em 2020, e 4.500 mortes pela doença em 2019. Portanto, a tuberculose ainda é motivo de preocupação quando se trata de saúde pública. Saiba mais sobre a doença.

O que é tuberculose?

Doença infecciosa que já foi chamada de peste branca, doença do peito e tísica, ela é causada por uma bactéria e atinge o sistema respiratório.

Contudo, há dois tipos de tuberculose: a pulmonar e a extrapulmonar. A mais comum é a tuberculose pulmonar, que como o nome sugere, acomete os pulmões.

Mas quando a bactéria ultrapassa o sistema respiratório, ela pode afetar também outras partes do corpo, dando origem a uma tuberculose extrapulmonar, como:

  • o intestino
  • a pleura (membrana que reveste os pulmões)
  • meninges (membranas que revestem o cérebro)

Neste caso, a doença pode acometer mais as pessoas que possuem o sistema imunológico comprometido, como aquelas com HIV.

Bacilo de Koch: agente causador e transmissão

A bactéria causadora da tuberculose é a Mycobacterium tuberculosis, popularmente conhecida como bacilo de Koch. Ela recebeu este nome ao ser descoberta pelo médico alemão Robert Koch em 1882.

A descoberta abriu caminho para estudos mais direcionados sobre a doença e como combatê-la.

A transmissão se dá por via aérea, assim como ocorre com a Covid-19, para citar um exemplo familiar nos dias de hoje. Alguém com a tuberculose ativa pode contaminar outra pessoa ao emitir aerossóis pelo nariz ou pela boca, seja falando, tossindo ou espirrando.

Pandemia ao longo da história

Os primeiros registros da tuberculose datam de pelo menos 4 mil anos atrás, já que foram encontradas evidências da doença em múmias do antigo Egito. Mas há teorias que indicam que a doença é ainda mais antiga.

tuberculose

De todo modo, foi na Europa entre os séculos 18 e 19 que a tuberculose se “popularizou”. Durante a Revolução Industrial encontrou terreno fértil para se proliferar diante da urbanização crescente, péssimos hábitos de higiene e crescimento populacional.

Como tratavam a “doença romântica”

A doença ganhou diversas conotações ao longo da história, desde castigo divino, mal de família até doença romântica, que acometia os intelectuais.

Esta última alcunha se deu porque quem costumava contrair tuberculose era adepto a um estilo de vida mais livre, contrário à moral cristã da época. Esses hábitos incluíam frequentar diversos lugares, inclusive ambientes fechados, sujos e com aglomeração de pessoas, típicos da “boemia” da época.

tuberculose

Tratamento de exposição ao ar livre às margens do Rio Tâmisa, em Londres.

Na falta de evidências científicas, os tratamentos de tuberculose neste período eram experimentais. Consistiam em isolamento do paciente em sanatórios, repouso, alimentação diferenciada, uma temporada nas montanhas para respirar outros ares, exposição ao ar livre, dentre outros métodos.

Dia Mundial da Tuberculose

Em homenagem aos 100 anos de descoberta do agente causador da tuberculose, a OMS instituiu, em 1992, a data de 24 de março como Dia Mundial de Combate à Tuberculose.

A celebração é uma forma de conscientizar a população sobre a doença e unir esforços no combate e prevenção da tuberculose.

Sintomas de tuberculose: como identificar e tratamentos

O sintoma mais característico da doença é a tosse por mais de duas semanas. Ela pode ser seca ou com secreção, e ainda vir acompanhada de sangue nos casos mais graves. Conheça outros sintomas:

  • Falta de apetite;
  • Emagrecimento;
  • Cansaço excessivo;
  • Febre baixa;
  • Sudorese noturna.

Já no caso da tuberculose extrapulmonar, além destes sintomas, a pessoa também pode apresentar dores nos órgãos afetados.

Como é feito o diagnóstico?

Tuberculose

Ao apresentar estes sintomas isolados ou associados, é necessário procurar o médico para obter o diagnóstico correto da doença, que pode ser confirmado por exames simples como raio-x do tórax e o exame de escarro.

Tuberculose tem cura?

Sim, desde que o tratamento indicado pelo médico seja seguido à risca. É importante reforçar isso porque, muitas vezes, a pessoa tuberculosa interrompe o tratamento por conta própria ao notar o desaparecimento dos sintomas.

No entanto, isso apresenta um risco para a saúde do paciente e de outras pessoas, já que ela pode continuar transmitindo tuberculose para outras pessoas e ainda desenvolver outras formas graves da doença.

Como ela é tratada?

O tratamento tem duração de 6 meses e é gratuito, disponibilizado pelo SUS. Ele consiste em uma combinação das substâncias rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol, em um único comprimido que deve ser tomado diariamente.

3 medidas de prevenção da tuberculose

Há alguns fatores de risco e determinados hábitos que contribuem para o desenvolvimento da doença. São eles:

  • Tabagismo e uso de álcool;
  • Diabetes;
  • Falta de higiene;
  • Doenças que diminuem a imunidade.

Além disso, a incidência da tuberculose é maior entre a população mais vulnerável e em situações precárias de saneamento básico como as pessoas em situação de rua e de privação de liberdade, e indígenas.

Confira as dicas para prevenir a doença:

1. Vacina BCG

Este é, literalmente, o primeiro passo que deve ser dado para a prevenção, já que a vacina BCG deve ser aplicada em todas as crianças brasileiras a partir do nascimento.

Vacina para tuberculose

A vacina BCG, que significa Bacilo de Calmette e Guérin, é aplicada em dose única nos 30 primeiros dias de vida da criança. O imunizante protege contra as formas graves da doença, como a tuberculose miliar e a tuberculose meníngea.

Vale lembrar que as vacinas são responsáveis pela redução da mortalidade global causada por diversas doenças ao longo da história, inclusive, a tuberculose.

Para saber mais sobre o calendário vacinal infantil e se certificar de que a carteirinha do seu filho está em dia, acesse > Vacinação infantil: qual a importância das vacinas para as crianças?

2. Higiene e ventilação

Os hábitos de higiene devem fazer parte da rotina de todos que desejam evitar contrair doenças infectocontagiosas como a tuberculose. Por isso, mantenha a casa limpa e arejada, com boa ventilação, e higienize frequentemente as mãos com água e sabão ou álcool em gel.

Leia também > Cuidados com bebê recém-nascido: atenção aos ambientes da sua casa.

3. Hábitos saudáveis

Dar fim ao tabagismo e manter uma rotina saudável, com alimentação balanceada e prática de exercícios ajuda a fortalecer a imunidade.

A Unimed-BH tem uma gama diversa de conteúdos completos que podem ajudar a prevenir doenças, além de dicas para maior qualidade de vida. Aproveite e veja também:

Equipe de Atenção à Saúde Unimed-BH
Conteúdo validado por Equipe de Atenção à Saúde Unimed-BH

Equipe responsável por prover conteúdos em soluções assistenciais para clientes, profissionais e prestadores da Unimed-BH, assim como para a sociedade como um todo.

Esse conteúdo foi útil para você?
Sim Não
×

Comentários