Vacinas para idosos: saiba quais são e quando tomar cada uma

Prevenção e Controle

20/04/2021

O Brasil tem 14,8 milhões de idosos hoje, e a vacinação na terceira idade é muito importante para garantir que a longevidade venha acompanhada de uma boa qualidade de vida.

6 min de leitura

Compartilhar

Vacinas para idosos: saiba quais são e quando tomar cada uma

O brasileiro vive hoje, em média, 75 anos. Com o aumento da expectativa de vida, surge a necessidade de promover um envelhecimento sadio, em que a longevidade esteja associada à qualidade de vida. Além de viver mais, todos querem viver bem. E as vacinas para idosos são aliadas a esse propósito.

Por isso, é muito importante manter o calendário vacinal em dia. A vacinação na terceira idade é uma medida fundamental que ajuda a evitar doenças sérias e/ou agravamento de doenças crônicas de base, comuns nessa faixa etária.

Pessoas vacinadas têm mais condições de enfrentar adversidades associadas à ação de vírus e bactérias. Portanto, independentemente da idade, todos devem estar com a vacinação em dia. Entenda tudo sobre a vacinação para idosos neste artigo.

Calendário de vacinação do idoso

A Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm) elaborou um calendário de vacinação do idoso, especialmente criado para a terceira idade.

Campanha Nacional de Vacinação do Idoso

Ainda em andamento, a Campanha Nacional de Vacinação do Idoso foi inaugurada com a vacina contra a Covid-19.

Recentemente, o Ministério da Saúde, por intermédio da Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), em parceria com as secretarias estaduais e municipais de Saúde de todo o Brasil, abriu o calendário de vacinação contra gripe, tétano e difteria para a população a partir dos 60 anos.

Em 2020, a meta era imunizar, no mínimo, 70% deste público-alvo contra a gripe, o que equivale, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a 10,4 milhões de pessoas. A população de idosos no Brasil é de 14,8 milhões.

Vacinas para idosos: quais são?

É importante ficar atento ao calendário nacional de vacinação do idoso e às campanhas divulgadas ao longo do ano. Mais que isso, é necessário manter-se atualizado sobre o esquema vacinal, buscando saber quais são as vacinas para idosos e quando receber cada dose. Confira:

Vacina Influenza (gripe) – Trivalente ou quadrivalente

Indicação:

Para todas as pessoas a partir de 6 meses de vida, principalmente aquelas que têm maior risco de infecções respiratórias, que podem ter complicações e a forma grave da doença.

Esquema vacinal:

A partir de 9 anos, dose única anual.

Onde pode ser encontrada:

Na rede pública, a vacina trivalente está disponível para grupos considerados prioritários pelo Ministério da Saúde em função do maior risco de adoecimento e de evolução para quadros graves. Entre eles, os adultos a partir dos 55 anos.

Vacinas Pneumocócicas (VPC13) e (VPP23)

Indicação: Para pessoas a partir de 60 anos.

Esquema vacinal e recomendações:

  • A primeira dose deve ser da vacina VPC13. A próxima dose, aplicada de 6 a 12 meses depois, deve ser da VPP23. Cinco anos após, deve ser aplicada uma dose de reforço da VPP23.
  • Se o idoso recebeu primeiro uma dose de VPP23, deve-se aplicar a VPC13 após 1 ano e agendar a dose de reforço da VPP23 para depois de 5 anos da primeira dose.
  • Quem já recebeu as duas doses de VPP23 pode tomar uma dose de VPC13 com intervalo mínimo de um ano após a última dose de VPP23. Nos casos em que a segunda dose de VPP23 tenha sido aplicada antes dos 60 anos é indicado que o idoso receba uma terceira dose, desde que se respeite o intervalo mínimo de cinco anos da última dose.

Onde pode ser encontrada:

  • Nos serviços privados de vacinação.

Nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE), para crianças a partir de 2 anos de idade, adolescentes e adultos com condições de saúde especiais que as tornam propensas a ter doença grave causada pelo pneumococo.

Vacina Herpes-Zóster

O que previne:

O herpes-zóster, popularmente conhecido como “cobreiro”, tem como principal complicação a neuropatia pós-herpética, responsável por dor crônica prolongada, de difícil controle e extremamente debilitante.

Indicação:

  • Licenciada para pessoas com 50 anos ou mais, a vacina é recomendada como rotina para maiores de 60 anos de idade.
    A imunização é recomendada para todos, mesmo que o idoso já tenha desenvolvido a doença. Nesses casos, é importante aguardar intervalo de no mínimo um ano entre o quadro agudo da doença e a imunização.
  • No caso de pessoas com histórico de herpes-zóster oftálmico, ainda não existem dados científicos que possam corroborar para a indicação ou não da vacina.
  • A vacinação em idosos imunodeprimidos deve ser avaliada pelo médico (consulte os calendários de vacinação SBIm para pacientes especiais).

Esquema vacinal: Uma dose.

Onde pode ser encontrada: nos serviços privados de vacinação.

Tríplice Bacteriana Acelular do Tipo Adulto (difteria, tétano e coqueluche) – dTpa ou dTpa-VIP e Dupla Adulto (difteria e tétano) – dT

Esquema vacinal:

A atualização da dTpa é recomendada independentemente de intervalo prévio entre dT ou TT.

Com esquema de vacinação básico completo: é recomendado que se faça o reforço com dTpa de dez em dez anos.

Com esquema de vacinação básico incompleto: recomenda-se que o idoso tome uma dose de dTpa a qualquer momento e, a partir daí, complete o ciclo de vacinação básica com uma ou duas doses de dT (dupla bacteriana do tipo adulto), de forma a totalizar três doses de vacina contendo o componente tetânico.

Não vacinados ou idosos com histórico vacinal desconhecido: A partir da primeira dose de dTpa, vacinar o idoso dentro de 2, 4 a 8 meses com as duas doses seguintes de dT.

  • A imunização é recomendada para todos, mesmo que o idoso já tenha tido coqueluche, já que a proteção conferida pela infecção não é permanente.
  • Para as pessoas que tiveram contato com lactentes com a doença, é recomendado a antecipação do reforço com dTpa para cinco anos após a última dose de vacina contendo o componente pertussis.
  • Recomenda-se a vacina dTpa combinada à da pólio inativada (dTpa-VIP) no caso de idosos que desejem viajar para países em que a poliomielite é endêmica
  • A dTpa-VIP pode substituir a dTpa.

Onde pode ser encontrada:

dTpa-VIP e dTpa
  • Nos serviços privados de vacinação
dT e dTpa
  • Na Rede Pública de Saúde para gestantes a partir da 20ª semana de gestação, puérperas até 45 dias após o parto e profissionais da saúde que atuam em maternidades e serviços de atendimento a recém-nascidos.

    Vacinas Hepatites A e B

Indicação:

Hepatite A: Nos casos da não existência de anticorpos verificada em exame sorológico após exposição à doença ou em casos de surtos.

Hepatite B: Rotina.

Hepatite A e B: Em casos em que as duas vacinas são recomendadas.

Esquema vacinal:

Hepatite A: Duas doses. A segunda dose deve ser aplicada 6 meses após a primeira.

Hepatite B: Três doses. A segunda dose deve ser aplicada 1 mês após a primeira; a terceira, 6 meses após a primeira.

Hepatite A e B: Três doses. A segunda dose deve ser aplicada 1 mês após a primeira; a terceira, 6 meses após a primeira.

Considerações:

Hepatite A → É incomum encontrar idosos com mais de 60 anos suscetíveis à doença. Nesse caso, não há prioridade na vacinação. A avaliação sorológica pode ser solicitada para identificar a necessidade. Em casos de contato com doentes com hepatite A, ou durante surto da doença, a vacinação deve ser indicada.

Hepatite A e B → A vacina combinada para os dois tipos de hepatite pode substituir a imunização isolada para as hepatites A e B.

Onde pode ser encontrada:

Hepatite A e A + B – Nos serviços privados de vacinação (para essa faixa etária).

Hepatite B – Nas Unidades Básicas de Saúde.

Vacina Febre amarela

Quando indicar:

É importante que se avalie o risco e os benefícios da vacinação em idosos que já não tenham sido imunizados e que vivam em zonas de vacinação.

Esquema vacinal e recomendação:

  • Dose única. Dependendo do risco de epidemias, uma segunda dose pode ser considerada, já que existe um risco de falha vacinal.
  • Já foram registrados casos de eventos adversos graves na primeira vacinação de idosos com mais de 60 anos. Neste caso, a avaliação deve ser feita pelo médico.
  • A vacinação de idosos imunodeprimidos também deve ser avaliada pelo médico (consulte os calendários de vacinação SBIm pacientes especiais).

Onde pode ser encontrada: nos serviços de vacinação privados e públicos.

Vacinas Meningocócicas conjugadas ACWY/C

Indicação:

  • Para adultos e idosos com condições que aumentem o risco para a doença meningocócica ou de acordo com a situação epidemiológica.
  • Para viajantes com destino a regiões onde há risco aumentado da doença.

Esquema vacinal:

  • Para adultos, dose única, a depender de risco de epidemias ou da condição de saúde do idoso.
  • Não havendo vacina meningocócica conjugada ACWY, ela pode ser substituída pela vacina meningocócica C conjugada.

Onde pode ser encontrada: nos serviços privados de vacinação.

Vacina Tríplice Viral (sarampo, caxumba e rubéola)

Indicação:

A vacina deve ser indicada para o idoso cujo risco de contaminação seja aumentado. A indicação da vacina dependerá do risco epidemiológico e da situação individual de cada pessoa.

Esquema vacinal: dose única.

Considerações:

Doenças como sarampo, caxumba e rubéola não são muito comuns em pessoas com mais de 60 anos. Para esse grupo, portanto, a imunização não é feita de forma rotineira. Contudo, a critério médico (em situações de surtos, viagens, entre outros), ela pode ser recomendada.

Onde pode ser encontrada: nos serviços privados de vacinação.

Além das informações sobre vacinas para idosos que você acabou de receber, seguem estão alguns conteúdos imperdíveis que complementam a longevidade deste público. Não perca!

Atividade física para idosos: como manter mente e corpo saudáveis?

Covid-19: 15 dicas e orientações importantes para idosos

Segurança na terceira idade: como evitar quedas?

Unimed-BH
Unimed-BH
Somos a melhor entre as maiores operadoras de saúde do Brasil, estamos presentes na vida de mais de 1,2 milhão de pessoas e temos um compromisso com nossos clientes e a sociedade: disponibilizar informações de saúde confiáveis, completas e de alta qualidade, para que você se cuide melhor todos os dias.
Esse conteúdo foi útil para você?
Sim Não

    Nos ajude a melhorar nosso conteúdo!
    ×
    Obrigado! Sua opinião nos ajuda a fazer conteúdos cada vez melhores.

    Comentários

    error: © Copyright Unimed-BH 2021