Da gravidez aos filhos adultos: as diferentes fases da maternidade

Maternidade

04/05/2022

Atualizado em 05/05/2022

No dia das mães e no resto do ano todo, conheça os desafios e a beleza que existe em cada uma das fases da maternidade.

6 min de leitura

Da gravidez aos filhos adultos: as diferentes fases da maternidade

No Dia das Mães e no resto do ano, conheça os desafios e a beleza que existem em cada uma das fases da maternidade.

A jornada de cada mãe pelos estágios da maternidade será um pouco diferente. As mães, em geral, tendem a lidar com certas situações em todos os momentos da vida de seus filhos de determinadas maneiras. Essas tendências podem ser úteis à medida que percorremos um a um os estágios da vida de filhos e filhas. E, junto deles, a mãe cresce, muda e evolui.

Neste artigo, vamos passar pelas fases da maternidade. Do momento da descoberta da gravidez até a vida adulta dos filhos, uma mãe nunca deixa de ser mãe. Mas o que muda em cada etapa? Como é a rotina dessas mamães? É importante salientar todas elas, dos desafios às melhores partes de ser mãe.

Fases da maternidade: que etapas são essas?

Ser mãe é trabalho integral. Até aí não existe dúvida. Desde o momento em que torna-se mãe, essa função passa a ser desempenhada todos os dias, 24 horas por dia.

Claro que cada mãe e cada experiência é diferente. Algumas se dão melhor em determinadas fases e outras não veem a hora de passar para a seguinte, mas o ponto é que todas são normais. Todas as mães, assim como todas as fases da maternidade, têm suas razões para ser como são.

As fases da maternidade, porém, são as mesmas:

  • A gravidez;
  • O puerpério;
  • Mãe de criança;
  • Mãe de adolescente;
  • Mãe de adulto.

Gravidez 

A gravidez começa com um momento de descoberta. Planejada ou não, com mais ou menos “frio na barriga”, é o momento de “cair na real”: não só um bebê, mas uma mãe está nascendo.

A gravidez pode ser absolutamente aterrorizante, completamente alegre, ou um pouco de ambos. Durante a gravidez, o foco da mãe é planejar o futuro. Ela percebe que a saúde do bebê tanto no útero quanto depois do nascimento está intimamente relacionada à saúde dela. As futuras mamães tendem a ser muito cuidadosas com o que comem, em quais atividades se envolvem e quanto tempo descansam.

Já pensando no bebê, alguns cuidados são indispensáveis. É hora de se preocupar com o pré-natal, que não pode deixar de ocorrer do jeito certo. Ao mesmo tempo, os hormônios bagunçam o corpo e a mente, que também está tomada de curiosidade e de ansiedade. Quero saber o sexo? Que tamanho já tem o bebê no útero? Será que já dá para imaginar o rostinho?

“A melhor fase é poder acompanhar a gestação, o crescimento interno, cada batida do coração. É aquela sensação de que está crescendo um ser dentro de você, que você está gerando uma vida. É algo inexplicável. Por mais que os desafios e o medo sejam grandes, pois o mundo está cada dia mais difícil, é inexplicável a sensação de saber que ali tem algo crescendo, um ser que depende do seu amor, é um sentimento maravilhoso.”

Denise, 40 anos, grávida e mãe do Arthur, de 4 anos

O puerpério

O puerpério é definido como o tempo que começa no parto e vai até as primeiras semanas depois do parto. Esse período geralmente tem duração média de 6 semanas. Por volta de 6 semanas depois do parto, a maioria das alterações da gravidez, do trabalho de parto e do parto foi resolvida, e o corpo voltou ao estado pré-gravidez.

O momento é delicado, de cura, de recuperação. E, mesmo que seja uma fase difícil, ela não é menos bonita. É um período que reforça a garra natural de cada mulher.

“Definitivamente o maior desafio dessa fase é tentar equilibrar os cuidados com o bebê e o cuidado com você mesma, já que você está vivendo uma fase tão intensa de adaptação e aprendizado, e saber pedir ajuda quando precisa. Ao mesmo tempo, é lindo ver o desenvolvimento de uma pessoa bem ali na sua frente e todas as primeiras descobertas: primeiros sons, sorrisos e interação. E ver que, mesmo tão pequeno, ele consegue te reconhecer e se conectar com você.”

Michele, mãe da Júlia, de 3 anos, e da Lara, de 5 meses

 

 Da gravidez aos filhos adultos: as diferentes fases da maternidade

Mãe de criança

Passado o puerpério, o bebê vai crescer para se tornar uma criança. Nesse momento, a maioria das mães já se estabeleceu em uma rotina e sentirá que a exaustão diária está começando a diminuir.

Algumas mães retornarão ao trabalho durante esse período, o que é sempre uma decisão difícil. Para as que deixam os filhos, mesmo sendo desafiador, é hora de retomar uma parte da vida que é só sua.

Enquanto algumas mães procuram esse alívio, outras não conseguem imaginar ficar longe do bebê por um dia inteiro. A maioria das mães sente algum nível de ambivalência; elas querem sustentar sua família financeiramente, bem como cuidar do bebê. E está tudo bem com qualquer um desses caminhos.

“Como mãe de crianças pequenas, temos a vontade de estar sempre presentes, de sermos onipotentes, o que é conflituoso com a vida agitada que temos. É difícil conciliar o profissional e o familiar. Muitas vezes, nos sentimos culpadas por não estarmos sempre presentes, além de outras preocupações, como segurança, educação e saúde dos filhos. Por outro lado, o melhor é acompanhar as descobertas deles, ampará-los nas decepções e se fazer presente em cada pequena conquista. Acredito que, para qualquer mãe, o maior desejo é que seus filhos se tornem pessoas mais humanas e solidárias.”

Giselle Silva Diniz, 41 anos, mãe do Bernardo, 10 anos, e da Bianca, 7 anos

Mãe de adolescente

A ironia dessa fase da maternidade é que, embora as mães precisem deixar seus filhos, elas necessitam estar mais disponíveis ao mesmo tempo.

O papel da mãe, à medida que os filhos progridem na adolescência, é fornecer orientação para que os adolescentes possam tomar decisões com mais autonomia. Se ela permitir que eles falhem e aprendam com esses fracassos, eles começarão a entender como resolver problemas por si mesmos.

Esse processo de aprendizagem requer muita participação da mãe. No entanto, tem de ser o tipo certo de entrada. As mães precisam estar disponíveis para encorajar, questionar, oferecer ideias e intervir apenas quando uma decisão pode realmente ser prejudicial. Ela deve evitar controlar, manipular, dar sermões e ser superprotetora. Quando existem perigos reais, as mães nesse estágio têm de colaborar com seus filhos a fim de encontrar a melhor solução.

 

fases da maternidade

Mãe de adulto

Ok, nós passamos pelas dificuldades e pelas grandes missões que cada uma das fases da maternidade exige. Mas e a mãe de filhos adultos?

A função de mãe não termina com a adolescência. A mãe continua mãe. Talvez menos preocupada com os perigos do mundo, talvez mais conformada com o espaço que parece ser menor na vida dos filhos. Mas nunca menos mãe. O filho ou filha começa a voltar o olhar para a mãe e vê-la de outra forma. Alguns já revertem a situação e assumem o papel de cuidar das mães, de retribuir o cuidado de uma vida inteira. Mas a mãe, é claro, não é menos mãe ao longo da vida.

“O maior desafio na maternidade é justamente quando os filhos começam a voar e a escrever as próprias histórias. Passam a ser responsáveis pelo seu destino. Parafraseando Anne Guedes, ’dois legados devemos deixar para nossos filhos: asas de liberdade e raízes pra voltar’. Ser mãe de filhos adultos é contemplar os valores transmitidos sendo usados. É se orgulhar de cada gesto, de cada ação, do fruto da educação que lhes foi passada. É desafiador acompanhar o crescimento, as dores e as alegrias que vivenciaram. E nada melhor do que ver cada conquista, cada esforço sendo reconhecido, cada atitude de um adulto, uma adulta responsável, inserida na sociedade com uma bagagem de amor e responsabilidade, coautor na transformação de um mundo melhor para viver.”

Karin Emmerich, 60 anos, mãe da Hannah, 25, e do Alexandre, 18

Nenhuma dessas etapas, da gravidez à vida adulta dos filhos, é fácil. Ainda assim, todas elas são incríveis, cada uma por motivos diferentes e se manifestando de formas distintas.

Mesmo que a função de mãe seja integral e dure toda uma vida, o Dia das Mães ainda é um momento especial. Todo dia é dia de ser mãe, mas a data marca a comemoração de cada fase, de cada experiência e de cada mãe, que exerce a função mais bonita na vida de uma pessoa. Da Unimed BH para todas as mães, em cada uma das fases da maternidade, um feliz Dia das Mães.

Cartões do Dia das Mães Viver Bem 2022

Baixe seu modelo preferido e encaminhe para as mães que fazem parte da sua história.

Esse conteúdo foi útil para você?
Sim Não
×

Comentários