Diabetes gestacional: o que é, como diagnosticar e tratar

Maternidade

10/06/2022

O diabetes gestacional pode causar problemas de saúde na mãe e no bebê. Veja como diagnosticar, tratar e evitar a diabetes na gravidez.

4 min de leitura

Diabetes gestacional: o que é, como diagnosticar e tratar

Diabetes mellitus é uma doença metabólica, caracterizada por hiperglicemia resultante da irregularidade na produção e/ou na ação de insulina pelo corpo. O diabetes mellitus gestacional, também conhecido apenas como “diabetes gestacional”, é definido como qualquer grau de intolerância à glicose, com início ou primeiro reconhecimento durante a gestação.

O que causa diabetes gestacional?

O diabetes gestacional ocorre quando o corpo não consegue produzir insulina suficiente durante a gravidez. A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas, que atua como uma chave para permitir que o açúcar do sangue entre nas células do corpo para ser utilizado como energia.

Durante a gravidez, o corpo produz mais hormônios e passa por outras mudanças, como ganho de peso. Essas mudanças fazem com que as células do corpo da gestante usem insulina de forma menos eficaz, uma condição chamada “resistência à insulina”. Dessa forma, há um aumento da necessidade desse hormônio no corpo da gestante.

Todas as mulheres grávidas têm alguma resistência à insulina durante o final da gravidez. No entanto, algumas delas têm resistência à insulina antes mesmo de engravidar. Essas mulheres são mais propensas a ter diabetes gestacional.

Diabetes gestacional

Quais são os fatores de risco associados ao diabetes gestacional?

Embora qualquer mulher possa desenvolver a doença durante a gravidez, alguns dos fatores que podem aumentar o risco incluem o seguinte:

  • Sobrepeso ou obesidade.
  • História familiar de diabetes.
  • Idade (mulheres mais velhas correm maior risco de desenvolver diabetes gestacional do que mulheres mais jovens).
  • Pré-diabetes, também conhecido como “tolerância diminuída à glicose”.
  • Gravidez de gêmeos.
  • Síndrome dos ovários policísticos.

Diagnóstico de diabetes gestacional

É importante fazer o teste de diabetes gestacional para que você possa iniciar o tratamento o quanto antes, a fim de proteger sua saúde e a saúde do seu bebê.

O diabetes gestacional geralmente se desenvolve por volta da 24ª semana de gravidez. Então você provavelmente será testada entre a 24a e a 28a semanas.

Entretanto, se você tem maior risco de diabetes gestacional, seu médico poderá testá-la mais cedo. Todavia, caso os níveis de glicose no sangue estejam mais altos do que o normal no início da gravidez, pode ser um indicativo de que você tem diabetes tipo 1 ou tipo 2 em vez de diabetes gestacional.

Complicações da diabetes após o parto

As complicações da diabetes que ocorrem durante a gravidez são geralmente gerenciáveis ​​e evitáveis. A chave para a prevenção é o controle cuidadoso dos níveis de açúcar no sangue assim que o diagnóstico de diabetes é feito.

Os bebês de mães com diabetes gestacional são vulneráveis ​​a desequilíbrios bioquímicos, como baixos níveis séricos de cálcio e magnésio, mas, em geral, existem dois grandes problemas do diabetes gestacional: macrossomia e hipoglicemia. Vejamos:

Macrossomia: Macrossomia refere-se a um bebê consideravelmente maior que o normal. Todos os nutrientes que o feto recebe vêm diretamente do sangue da mãe. Se o sangue materno tem muita glicose, o pâncreas do feto sente os altos níveis de glicose e produz mais insulina na tentativa de usar essa glicose.

O feto converte a glicose extra em gordura. Mesmo quando a mãe tem diabetes gestacional, o feto é capaz de produzir toda a insulina de que necessita. A combinação de altos níveis de glicose no sangue da mãe e altos níveis de insulina no feto resulta em grandes depósitos de gordura que fazem com que o feto cresça excessivamente.

Hipoglicemia: A hipoglicemia refere-se ao baixo nível de açúcar no sangue do bebê imediatamente após o parto. Esse problema ocorre se os níveis de glicose no sangue da mãe estiverem consistentemente altos, fazendo com que o feto tenha alto nível de insulina em sua circulação.

Após o parto, o bebê continua a ter valores elevados de insulina circulante, mas não tem mais o alto nível de açúcar de sua mãe, resultando em hipoglicemia. A glicemia do bebê é verificada depois do nascimento, e, se estiver muito baixa, pode ser necessário administrar glicose ao bebê por via intravenosa.

A glicose no sangue é monitorada muito de perto durante o trabalho de parto. A insulina pode ser administrada para manter o açúcar no sangue da mãe em uma faixa normal, abaixando assim a quantidade de insulina produzida pelo bebê, o que evita a queda excessiva da glicemia do recém-nascido após o parto.

Leia também o nosso artigo sobre diabetes em crianças e como lidar com a doença.

Prevenção

Antes de engravidar, é possível prevenir o diabetes gestacional, controlando seu peso, se estiver acima do peso recomendado, e praticando atividade física regular.

Depois do início da gravidez, porém, o contexto é outro. Não tente perder peso se já estiver grávida. Você ganhará algum peso – não muito rapidamente – referente ao desenvolvimento da placenta, do líquido amniótico e do seu bebê, que está se desenvolvendo.

Converse com seu médico sobre quanto peso você deve adquirir para ter uma gravidez saudável.

Tratamento para diabetes gestacional

O tratamento específico para diabetes gestacional será determinado pelo seu médico com base em alguns critérios avaliados por ele. A decisão em relação ao tratamento vai depender de fatores como:

  • Sua idade, saúde geral e histórico médico
  • Gravidade da doença
  • Sua tolerância a medicamentos, procedimentos ou terapias específicas
  • Expectativas para o curso da doença

Você pode fazer muito com o intuito de controlar o diabetes gestacional. Vá a todas as suas consultas de pré-natal e siga seu plano de tratamento, incluindo alguns procedimentos:

  • Verifique seu açúcar no sangue frequentemente para garantir que seus níveis permaneçam em uma faixa saudável.
  • Coma alimentos saudáveis, ​​na quantidade certa, nos momentos certos. Siga um plano de alimentação saudável criado pelo seu médico, por nutricionista ou por nutrólogo.
  • Mantenha-se ativa. A atividade física é muito importante para auxiliar no controle da glicemia. Entretanto, verifique com seu médico que tipo de atividade física você pode fazer e se há algum tipo que você deve evitar.
  • Monitore a saúde do bebê. O seu médico vai verificar o crescimento e o desenvolvimento do seu bebê.

Se uma alimentação saudável e atividade física não forem suficientes para controlar o açúcar no sangue, seu médico poderá prescrever insulina ou outro tratamento mais indicado para o caso.

A fim de ajudar a evitar o diabetes gestacional e os quadros desenvolvidos em consequência dele, confira nossas dicas para ajudar na prevenção e na promoção da saúde:

Equipe de Atenção à Saúde Unimed-BH
Conteúdo validado por Equipe de Atenção à Saúde Unimed-BH

Equipe responsável por prover conteúdos em soluções assistenciais para clientes, profissionais e prestadores da Unimed-BH, assim como para a sociedade como um todo.

Esse conteúdo foi útil para você?
Sim Não
×

Comentários